PROSPERIDADE

04-11-2010 16:54

Prosperidade?

 

Repito a pergunta: Pode um crente verdadeiro acreditar na teologia ou evangelho da prosperidade?

Antes de responder quero explicar a pergunta.

Quando digo "crente" me refiro a todo aquele que diz crer em Jesus como seu único e suficiente salavdor.

Quando digo "verdadeiro" me refiro a alguém que não é confundido com a multidão. Já vai longe o tempo quando bastava dizer que era um "crente" para todo mundo saber sobre o que se estava falando. O crente era aquele que, mesmo sendo a minoria, não se importava em ser diferente ou ter menos privilégios diante dos outros. Pelo contrário, o seu privilégio era justamente esse, ser deixado de lado por causa do nome de Jesus. Era isso que o evangelho apresentava e era isso que Jesus ensinava.

Quando digo "acreditar", repare, não disse "crer", me refiro à disposição de aceitar como verdade certa e absoluta um ensino que parece ser certo. Porque crer é diferente de acreditar. Quem crê, crê independente de ver ou de comprovação histórica. Quem acredita, credita a sua fé a algo que aconteceu a alguém ou em algum lugar; porque viu, porque sentiu ou porque desejou que fosse assim. Essa é a principal diferença entre o crer de uma criança e o acreditar de um adulto. Jesus chamou a atenção dos disípulos pra isso; a criança crê e se entrega, se submete a quem tem autoridade, o adulto só acredita vendo e pede mais sinais. Por isso o reino de Deus está destinado a quem olha para Jesus como uma criança.

Quando digo "Teologia ou Evangelho da Prosperidade" me refiro à teologia que envolve o evangelho nas novas igrejas, e nas velhas também, que dá ênfase à saúde, à riqueza e à prosperidade. A teologia que associa a prosperidade material às práticas de piedade espiritual. Logo, quem é "mais espiritual" é mais próspero.

Mais uma vez, repito a pergunta: Pode um crente verdadeiro acreditar na teologia ou evangelho da prosperidade?

Bem, acredito que a explicação detalhada de minha pergunta já bastaria para você saber a minha resposta. Mas mesmo assim vou responder. SIM e NÃO!

Sim, ele pode. Porque mesmo o crente verdadeiro, fiel e mais bem intencionado poderia e pode ser enganado quando levado a acreditar na falácia da teologia da prosperidade. Uma falácia porque é um raciocínio falso que simula uma verdade, porque vai contra tudo o que Jesus ensinou e que Ele mesmo deu exmplo. Afinal, Jesus disse que Ele não tinha onde reclinar a cabeça, não tinha casa e quem quisesse seguí-lo, além de levar uma cruz, não deveria se prender à preocupação em como se manter. Apenas para lembrar algumas coisas que Jesus ensinou:

 

·         não leve alforge... (Mt 10.10; Mc 6.8)

·         tome a sua cruz e negue-se a si mesmo... (Mt 16.24; Mc 8.34; Lc 9.23)

·         é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha que um rico entrar no reino dos céus... (Mt 19.24; Mc 10.25; Lc 18.25)

·         vai, vende tudo o que tens e dê aos pobres... (Mt 19.21; Mc 10.21)

·         nao vos aquieteis com o dia de amanhã... (Mt 6.30 e 34)

Não, ele não deve. Porque o crente verdadeiro e que busca a verdade na Palvara de Deus não encontrará base sustentável de argumentação em favor desta teologia. É certo que encontrará sim Deus manifestando que deseja que Seu povo seja próspero, mas que esta prosperidade está antes de tudo na satisfação de servir o Senhor em toda e qualquer situação. O maior sucesso do crente é ser identificado com Jesus, tanto em sua glória como em suas tribulações. O crente verdadeiro se gloria em Jesus Cristo não pelo presente valioso que recebeu, mas no quanto o reino de Deus se espandiu na doação de sua própria vida.

—————

Voltar